Psicoterapia cognitiva com enfoque na terapia do esquema

A terapia cognitiva é uma abordagem psicoterapêutica que considera os processos cognitivos – pensamentos – como a chave para a compreensão e tratamento de transtornos psicológicos.

Desenvolvida por Aaron Beck no final dos anos 1950, é uma das psicoterapias de maior evidência quanto à eficácia. Vários estudos evidenciam que essa abordagem psicoterapêutica é eficaz para quadros como depressão, ansiedade, transtorno do pânico, transtornos alimentares, transtorno bipolar, relacionamento afetivo, transtorno do sono e até mesmo casos de esquizofrenia.

Em linhas gerais, a abordagem cognitiva considera que a maneira como interpretamos a realidade interfere ou traz consequências sobre nossas emoções e processos cognitivos, ou seja, nossos pensamentos. Mas o que determina que cada um interprete a realidade a seu modo ? A resposta: os esquemas!

A terapia do esquema (TE) proposta por Jeffrey Young utiliza elementos teóricos de outras abordagens como Gestalt-terapia, conceitos da teoria do apego de John Bowlbyv, da Psicanálise e da própria abordagem cognitiva proposta por Aaron Beck. Na terapia cognitiva, esquema é definido como uma estrutura cognitiva que funciona como uma espécie de filtro, que codifica, avalia e interpreta a realidade. Esquema é como uma rede estruturada de crenças que direcionam o indivíduo à determinada atitude. Em outros termos, são estruturas cognitivas que organizam e processam as informações, ou seja, padrões de pensamento. Ou seja, a interpretação da realidade passa pelo filtro “esquema”. Se interpretarmos a realidade de uma forma disfuncional com base em nossos esquemas, possivelmente o resultado será algum transtorno mental, a exemplo da ansiedade e depressão.

Na Terapia do Esquema, Young não intenciona apresentar uma nova definição de esquema. Mas ampliando o conceito, apresenta a ideia dos Esquemas Iniciais Desadaptativos (EIDs). Rígidos e difíceis de modificação, os EIDs aparecem na infância, resultantes de necessidades emocionais não atendidas, com base na interpretação da criança. Necessidade de apego seguro, de afeto, carinho, das noções de autonomia e competência, estabilidade, liberdade para expressão das emoções, da espontaneidade, limites adequados, são alguns exemplos de necessidades emocionais não atendidas na infância.

O primeiro passo na terapia do esquema é identificar um ou mais dos 18 possíveis esquemas. O segundo passo é trabalhar sobre os esquemas com objetivo de compreensão e mudança das distorções cognitivas originadas pelos Esquemas Iniciais Dasadaptativos (EIDs).

Diante dessa breve conceituação, a Psicologia Cognitivo-comportamental com enfoque na Terapia do Esquema pode ser aplicada clinicamente nas seguintes situações: dificuldades no relacionamento interpessoal, transtornos de humor (depressão), transtornos de ansiedade, transtornos alimentares, , transtorno de estresse pós-traumático, terapia de casal e família, transtorno de personalidade, estresse, entre outros.


Olá! Meu nome é Antônio Lançoni, sou Psicólogo – CRP 12/13360 e atuo na Clínica com a abordagem Cognitiva com enfoque na Terapia do Esquema. Considero que o objetivo da psicoterapia é promover o autoconhecimento e o sentido da vida.


Leave a Reply